O movimento que mais cresce no mundo nas últimas décadas, ainda pode ser muito mal-entendido e confundido pelas pessoas, tanto em seu propósito, quanto em seu significado e suas ações. Portanto, nesse presente artigo, pretendo simplificar e desmistificar certas questões desse movimento fundamental para que a humanidade comece a abrir os olhos e modifique seus hábitos. Vamos lá:

Como algumas pessoas entendem o feminismo (tanto homens quanto mulheres!):

Muitos verbalizam falas como esta (diariamente): “Se machismo não é bom, o feminismo tampouco será! Se não podemos ser radicais de um lado, não faz sentido ser no outro!” Essas pessoas, em sua ignorância, acabam se enganando, pensando que o feminismo é o oposto do machismo, ou seja, as mulheres então querem passar a ser superiores aos homens, subestimam os mesmos etc. Esse conceito está TODO ERRADO….Leia até o fim para entender!

Como alguns homens veem o feminismo (“guerra de sexos”):

Já estes costumam questionar o seguinte: “Quer ser igual ao homem, vem pegar um saco de cimento nas costas e fazer tudo que vocês nos pedem porque não têm força suficiente!”. Estes acabam fazendo também diversas outras comparações, pensando que o feminismo se trata de um movimento em que as mulheres querem é ser biologicamente e geneticamente igual aos homens. Melhor não comentar nada ainda….Sigamos em frente na análise…

Como algumas mulheres entendem (erroneamente) o feminismo (aqui a coisa pega um pouco mais):

“É isso aí….vou fazer tudo que eu quiser, do jeito que eu quiser, com quantas pessoas eu quiser, onde eu quiser, e se alguém criticar ou se ofender é porque tem preconceito e está sendo machista!” Ou seja, elas acreditam que o movimento feminista se trata apenas da questão de liberdade sexual e que está aí para servir de alicerce, para justificar escolhas individuais. Isso tem sido um erro muito comum!

O feminismo não prega que você deve ser uma “devassa”, apenas prega que, caso você opte por esse estilo de vida, que não deverá ser julgada, maltratada, abusada, humilhada etc, afinal, com os homens os julgamentos passam bem mais longe, certo?! Você já ouviu alguém chamando um homem de vulgar, de biscate ou vadia por ele vestir roupas sensuais e dançarem ou flertarem com alguém numa balada? Difícil né? Porém, o que quero deixar claro aqui, é que ninguém está imune às consequências de suas próprias escolhas. E tem algo que é muito óbvio nesse exemplo: se o seu intuito é ter um relacionamento mais sério, estável, enfim, a mensagem que você passa (querendo ou não) aos que estão a sua volta, quando a troca de parceiros e inconstância é grande, é de que sua intenção é a oposta. Independente de movimentos e causas!

Então vamos lá: O que o Feminismo realmente é?

Para começo de conversa, o oposto de machismo, ou seja, o movimento que prega que as mulheres são SUPERIORES aos homens e que, em sua maior parte, é formado por mulheres ou pessoas que subjugam, menosprezam e subestimam homens (principalmente os heterossexuais), chama-se FEMISMO. Apesar do nome ‘feminismo’ se parecer muito, trata-se de um movimento muito diferente, mais amplo e abrangente de diversas formas.

No feminismo a luta é pela igualdade de direitos (como salários, benefícios, ausência de preconceitos e julgamentos com relação as diferenças ente homem e mulher), pelo respeito ao corpo e pelas escolhas que as mulheres almejam ter sobre seus corpos, e por aí vai.

É uma luta que invade todos os campos e áreas, desde a família, onde o papel da mulher foi sempre muito engessado, até nos mais diversificados ambientes, como nas ciências, esportes, política, empresas, enfim,  espaços esses em que as mulheres, há séculos, já conquistaram muito espaço e vem provando a cada dia sua imensa capacidade e habilidade para tais posições. Mas ainda falta muito…Veja só a política….o humor….são campos altamente dominados pelos homens, infelizmente! E vou colocar propositalmente aqui uma pulga atrás da orelha de vocês: ainda há muita desunião entre as próprias mulheres. Elas mesmas, em muitos casos, ainda sabotam e prejudicam a evolução das companheiras em diversos segmentos.

Quando filhas mulheres puderem escolher o tratorzinho e o Max Stheel no lugar da boneca e da vassourinha e não ser olhada como “aquela menina que tem jeito de menino ou de lésbica”, quando os filhos meninos forem criados, desde a mais tenra infância, sabendo cuidar de suas coisas, limpar a casa, passar roupas etc, quando um adolescente resolver ter esmalte nas unhas e usar uma saia e nem por isso ser denominado como gay, essas serão pequenas provas de que a real justiça ou “igualdade entre gêneros” começou a ser mais respeitada.

Acredito que a maior parte de nós mulheres adoramos (e muito) o cavalheirismo, o respeito, a educação etc, jamais deixaremos de achar tudo isso elegante e romântico, mas, se ganharmos um salário maior, se quisermos pagar as contas e viajar a serviço enquanto os maridos limpam a casa (e muitos se sentem bem fazendo isso!), qual o problema? Ainda bem que muitos já se adaptaram a isso e não se sentem de maneira alguma prejudicados ou humilhados. Não é uma “troca de papéis”, afinal, porque o “papel da mulher” é o de limpar a casa? Onde se estipulou que somente elas devem fazer isso?

E ouso ir um pouco mais além: se alguma mulher for totalmente feliz e realizada dependendo financeiramente de um homem, se ela prefere de fato estar em casa e cuidar dos filhos e da limpeza (o que é muito mais trabalhoso, cansativo e difícil, vamos combinar né?!), é um direito dela, ela não está sendo uma mulher do mundo “machista” se escolheu isso para sua vida e está contente e satisfeita com isso. Pensem que: se a luta vale para a mulher sair mais de casa sem culpa e poder conquistar espaços cada vez maiores, ela também é válida para aquelas que quiserem realizar outras escolhas, opostas a isso!

O movimento do feminismo pode ter um nome que ainda entorta muitos narizes por aí, por simples falta de compreensão e clareza, contudo, ele veio pra ficar, é para abraçar TODAS as causas femininas que buscam por justiça, pela ausência de julgamentos, isso inclui muito mais do que já foi feito! Vamos em frente, homens, mulheres, crianças, idosos, adolescentes…todos por um futuro digno, de respeito e amor à todas as pessoas.

Fica a reflexão (para todos!): Juntos somos muito mais fortes e vamos bem mais longe! Se podemos combinar nossas diferentes habilidades e fazer tudo ficar maior e melhor, por que ainda competimos e buscamos diminuir os outros?!

Grande abraço!