Os Mecanismos de Defesa são comportamentos (incluindo pensamentos e falas internas), atitudes, gestos e diálogos que desenvolvemos para proteger nosso ego de lidar com o desgaste e as complicações de assumir (e aceitar) as REAIS condições e questões enfrentadas durante a vida, e também as dificuldades e intrigas vivenciadas nas relações com outras pessoas, ou até conosco mesmos (sim…muitas vezes não queremos nem mesmo assumir para nós mesmos o que realmente sentimos e queremos!).

Ao longo de 2 posts aqui no Blog, vamos descrever para vocês os 9 mecanismos de defesa mais comuns que Anna Freud, dando continuidade à obra de seu pai (Sigmund Freud), aprofundou em sua obra: “O Ego e os mecanismos de defesa

Começando por estes primeiros 5:

1. Negação:

Você pode considerar este o mecanismo de defesa “genérico”, porque aparece por trás de muitos dos outros. Quando você usa a negação, você simplesmente se recusa a aceitar a verdade ou a realidade de um fato ou experiência. “Não, eu sou apenas um fumante social,” é um bom exemplo;

Da mesma forma as pessoas podem aplicar o mecanismo de defesa da negação a qualquer mau hábito que desejam se distanciar incluindo uso excessivo de álcool ou uso de drogas, compras compulsivas ou jogos de azar, e similares. “Apenas diga não”, neste caso, significa que você vai proteger a sua autoestima ao não reconhecer o seu próprio comportamento.

A negação também pode ser utilizada por vítimas de traumatismo ou desastres e pode mesmo ser uma resposta protetora inicial benéfica. No longo prazo, porém, a negação pode impedi-lo de incorporar informações desagradáveis sobre você e sua vida e ter consequências potencialmente destrutivas.

2. Repressão:

Um passo acima da negação no esquema de classificação genérica, a repressão envolve simplesmente esquecer de algo ruim. Você pode esquecer uma experiência desagradável, no passado, como um acidente de carro no qual você foi culpado.

Você também pode usar a repressão quando você “esquecer” de fazer algo desagradável, como ir ao dentista ou ao encontro com um conhecido que você realmente não gosta. A repressão, como a negação, pode ser temporariamente benéfica, especialmente se você se esqueceu de algo ruim que aconteceu com você, mas como acontece com a negação, se você não vir a enfrentar a experiência ela pode voltar para assombrá-lo.

3. Regressão

Da repressão à regressão o “g” faz toda a diferença. Na regressão, você volta a um estado emocional infantil em que seus medos inconscientes, ansiedades, e “angústia” geral reaparecem.

Na teoria do desenvolvimento psicossexual de Freud, as pessoas se desenvolvem através de estágios, como o estágio oral, anal e fálico, e as estruturas básicas da personalidade são estabelecidas. No entanto, de vez em quando, uma pessoa quer reverter-se para um estado infantil de desenvolvimento. em particular em condições de tensão.Essa raiva da estrada que você vê quando os condutores estão presos no trânsito é um grande exemplo de regressão. As pessoas também podem mostrar regressão quando retornam a um estado infantil de dependência. Se encolher sob os cobertores quando você teve um dia ruim é uma instância possível.

O problema com a regressão é que você pode se arrepender de deixar o seu espetáculo infantil de uma forma autodestrutiva. Recusar-se a falar com as pessoas que fizeram você se sentir mal ou triste pode eventualmente chegar em problemas piores do que os que você tinha quando começou.

4. Deslocamento:

No deslocamento você transfere seus sentimentos originais perigosos (geralmente raiva) para longe da pessoa que é o alvo e para uma vítima mais infeliz e inofensiva.

Aqui está o exemplo clássico de deslocamento: Você teve uma interação muito desagradável com seu chefe ou professor, mas você não pode mostrar a sua raiva em relação a ele ou ela. Em vez disso, você chega em casa e, por assim dizer, “chuta o gato” (ou cão).Toda vez que você mudar seus verdadeiros sentimentos de sua fonte provocadora de ansiedade original para quem você percebe como menos provável de causar-lhe mal, você está muito possivelmente usando deslocamento como mecanismo de defesa do ego. Infelizmente, o deslocamento pode protegê-lo de ser demitido ou expulso da sala de aula, mas não irá proteger sua mão se você decidir deslocar a sua raiva do verdadeiro alvo em uma janela ou parede.

Se você conseguiu acompanhar até aqui e compreender o que Anna Freud tentou explanar sobre nossa tentativa de proteger o que somos e sentimos verdadeiramente, aguarde e volte aqui no blog no final desse mês, pois você verá os próximos 5 mecanismos também muito comuns.

Obrigada pela leitura e por nos acompanhar! Aproveite pra compartilhar esse conhecimento com outras pessoas!

Grande abraço e até 31.03!

Referências:

Kramer, U. (2010). Coping and defence mechanisms: What’s the difference? Second act. Psychology and Psychotherapy: Theory, Research and Practice, 83(2), 207-221. doi:10.1348/147608309X475989

Larsen, A., Bøggild, H., Mortensen, J., Foldager, L., Hansen, J., Christensen, A., & … Munk-Jørgensen, P. (2010). Psychopathology, defence mechanisms, and the psychosocial work environment. International Journal of Social Psychiatry, 56(6), 563-577. doi:10.1177/0020764008099555

Olson, T. R., Perry, J., Janzen, J. I., Petraglia, J., & Presniak, M. D. (2011). Addressing and interpreting defense mechanisms in psychotherapy: General considerations. Psychiatry: Interpersonal and Biological Processes, 74(2), 142-165. doi:10.1521/psyc.2011.74.2.142

  • Por Susan Krauss Whitbourne Ph.D.