Compulsão pode ser descrita como a dificuldade para controlar desejos, segundo psicólogos.

Os comportamentos compulsivos são naturalmente impulsivos e inconsequentes, mas, depois, costumam estimular reflexões acerca do objeto da compulsão.

Não raro as pessoas se sentirem envergonhadas, decepcionadas ou frustradas por terem cedido às suas compulsões. Elas prometem para si mesmas que nunca mais farão aquilo, mas, no calor do momento, voltam a alimentar a compulsão.

Por que as pessoas recorrem às compulsões?

Compulsões podem ter relação com uma variedade de desejos que, conforme as crenças da pessoa compulsiva, podem tornar a sua vida mais agradável mesmo que por alguns minutos.

Comportamentos compulsivos costumam ser uma resposta a traumas, estresse ou impasses de difícil resolução.

Um dos grandes problemas é a perda (momentânea ou não) do julgamento do que é considerado bom e saudável.A pessoa compulsiva busca incessantemente o prazer e somente depois percebe que tomou decisões precipitadas e prejudiciais para sua vida. Mas, essa reflexão não é o suficiente para ela cessar a compulsão.

Quem tem compulsão por compras, por exemplo, pode maximizar o cartão de crédito e ter uma montanha de dívidas. Mesmo sabendo disso, o indivíduo não consegue parar de comprar.

Outra questão problemática é o prejuízo causado em outras áreas da vida. A pessoa com compulsão por comida, por exemplo, pode desenvolver problemas de saúde no futuro, como obesidade, diabetes e doenças cardíacas. Já a compulsão por trabalho pode interferir nos relacionamentos, principalmente afetivo e familiar.

A compulsão por trabalho também pode ter origem na baixa autoestima. Para provar sua competência a si mesmo e aos outros, o indivíduo busca constante validação através do seu desempenho profissional onde seu valor como indivíduo reside na qualidade do seu trabalho.

Da mesma forma, traumas e situações estressantes em outras esferas da vida podem empurrar a pessoa para um estilo de vida workaholic. A compulsão por trabalhar se torna uma maneira de escapar das memórias ou realidade insatisfatória.

Sinais de compulsão por trabalho

Você está viciado em trabalho? Se suspeita ter compulsão por trabalho, mas tem dificuldade em aceitar isso, confira abaixo alguns comportamentos compulsivos para fins de esclarecimento e caso se identifique com grande parte dos sinais, procure um psicólogo para ajudá-lo a ter uma vida profissional saudável.

  • Preocupação excessiva com o trabalho:

O profissional compulsivo passa muito tempo se preocupando com o próximo dia, semana ou mês no trabalho. As suas preocupações costumam ser exageradas e ilógicas visto que grande parte dos impasses podem ser resolvidos com facilidade no horário do expediente.

Mesmo quando se encontra fora do escritório ou do home office, o profissional não consegue parar de pensar em trabalho. Ele fica grudado ao celular tentando concluir pendências ou adiantar a carga da próxima semana.

  • Problemas de saúde física e mental:

A compulsão também traz riscos à saúde uma vez que o profissional trabalha incessantemente. O estresse, ansiedade e preocupação passam a ser constantes em sua vida e podem abrir portas para várias patologias, como AVC, infarto, diabetes, fibromialgia, depressão, obesidade e Síndrome de Burnout.

  • Ausência de hobbies:

O profissional compulsivo não tem tempo para hobbies. A sua vida é voltada somente para o trabalho, então ele não costuma ter outros interesses. Não há nada em sua vida, além das pendências profissionais, que desperte seu entusiasmo.

Os hobbies são importantes, embora possam ser vistos como “perda de tempo”. Eles fornecem um descanso necessário tanto ao cérebro quanto ao corpo, além de promover o prazer no dia a dia.

  • Estresse persistente:

Como dito anteriormente, o estresse passa a ser uma presença constante na vida de quem possui compulsão por trabalho. O ambiente profissional normalmente já é um local favorável para o aumento do estresse, não é? Prazos curtos, conflitos entre colegas, atendimento ao cliente, imprevistos, erros, briga de egos e funções pouco estimulantes são alguns dos fatores presentes no ambiente de trabalho que causam estresse.

Como a compulsão conduz as pessoas a trabalharem cada vez mais, elas possuem maior contato com esses fatores estressantes.

  • Negligência de períodos de descanso:

Por nutrir um estado emocional perturbado, a produtividade e rendimento do profissional compulsivo naturalmente caem. Afinal, estamos na nossa melhor forma física e psicológica somente quando temos saúde, certo?

Frustrado, o profissional compulsivo pode desrespeitar os seus limites, negligenciando períodos de descanso e lazer, para tentar elevar o seu desempenho. Dificilmente, contudo, ele irá se deparar com resultados positivos.

As férias, feriados prolongados e finais de semana existem por uma razão: ajudar as pessoas a recarregarem as energias e aliviarem a tensão acumulada após longos períodos de atividade.

  • Problemas no relacionamento:

Os relacionamentos do profissional compulsivo normalmente sofrem. Ele possui dificuldade para encontrar o equilíbrio saudável entre a vida pessoal e profissional. Assim, cônjuges, filhos e outros familiares ficam irritados ou magoados com a sua ausência.

A ausência pode ser física ou emocional. Quando uma pessoa está na presença de entes queridos, mas não consegue se desligar do celular ou parar de pensar em coisas as quais não são importantes naquele momento, ela não está dedicando atenção a eles.

É comum que a intimidade seja abalada ou perdida (ou deixe de ser construída, como costuma acontecer entre pais e filhos), levando ao afastamento de pessoas queridas e de parceiros, amigos ou colegas em potencial.

  • Comportamento impaciente e irritativo:

O estresse, insônia, ansiedade, letargia e esgotamento emocional deixam as pessoas irritadas e com pouca paciência. Expressões e atitudes podem ser mal interpretadas e a tolerância para erros pode ser quase nula.

O convívio diário com o profissional compulsivo tende, então, a ser desagradável para os colegas e frequentemente originar conflitos. É comum que os demais se afastem desse profissional aos poucos. Ninguém gosta de conviver com alguém que está sempre irritado, não é?

  • As conversas giram ao redor do trabalho:

O profissional com compulsão por trabalho só sabe falar disso! Embora comentar sobre eventos ocorridos no ambiente de trabalho seja normal entre colegas e familiares, o excesso facilmente se torna cansativo para os ouvidos alheios.

  • Avisos constantes para trabalhar menos:

É comum que profissionais compulsivos recebam conselhos de colegas, familiares, cônjuges e até de chefes para reduzirem a carga de trabalho. As pessoas que convivem com eles tendem a perceber os efeitos negativos da compulsão mais facilmente uma vez que não possuem o mesmo apego emocional ao trabalho.

Elas notam o cansaço, a irritabilidade, a mudança na aparência e as ambições que parecem somente estar relacionadas à vida profissional. E, preocupadas, aconselham o profissional a reduzir a carga horária e aproveitar melhor o tempo livre.

Se você já escutou conselhos assim e de pessoas diferentes, considere dar ouvidos a eles e refletir sobre o seu comportamento!

  • Trabalho como forma de aguentar sentimentos de ansiedade, culpa e depressão:

O vício em trabalho pode ser um mecanismo de defesa contra sentimentos de ansiedade, culpa, depressão, medo, desespero e outros. Como o indivíduo não consegue lidar com eles de maneira saudável, ele recorre ao trabalho para fugir da negatividade.

O problema é que essa maneira de escapar da realidade não ajuda a reduzir os sentimentos desagradáveis. Pelo contrário, ela pode torná-los insuportáveis com o tempo. O modo mais adequado de lidar com o que consideramos emocionalmente desagradável é encarando nossos problemas de frente.

Como sabemos que fazer isso não é nada fácil (afinal, você pode nem sequer saber por onde começar!), sempre recomendamos buscar a ajuda de um psicólogo.

Gostou desse post? Quer que seus amigos também saibam um pouco mais sobre o assunto? Que tal compartilhar este post com eles em suas redes sociais?

Grande abraço e até breve!