Você já se questionou se o tipo de oportunidade que você “agarra” é o tipo de oportunidade que é compatível contigo? Ou seja, está realmente alinhada aos seus valores? Ao que você é apaixonado(a) por fazer e faz de melhor? Será que o cargo atual que você ocupa destaca seus melhores talentos ou apenas você se sente bem ali por sem uma “excelente empresa para se trabalhar” e porque seus colegas são ótimos e o clima colaborativo e leve?

As empresas sempre buscarão reter talentos e profissionais que trazem resultados, seja com pacotes de benefícios, eventos, reconhecimentos, promoções etc…Porém, já parou para pensar que, mesmo você entregando ótimos resultados e se sentindo bem na empresa, ainda assim isso pode não significar que você está alinhado à sua missão e propósito, ou então, nem mesmo estão sendo aproveitados seus talentos e habilidades mais evidentes?

Trago essas perguntas para deixar de propósito uma pulga atrás de sua orelha! Conheci e ainda venho conhecendo pessoas que, por suas crenças e medos de lá do passado, simplesmente seguiram agarrados numa oportunidade que não mais condiz com seu propósito no presente!

Anos se passaram, essas pessoas evoluíram muito, são outras pessoas hoje, porém, presas a um valor grande de segurança, estabilidade, status, tranquilidade, seguiram ocupando a mesma “cadeira”, talvez até mesmo pensando: “se me deram essa oportunidade e precisam de mim, então preciso corresponder as expectativas!”.

“Preciso…” ou “tenho que…” são expressões perigosas quando se trata de carreira. Sim, eu concordo que temos um compromisso quando somos “empregados” de alguém e essa caminhada é muito importante na vida de muita gente, pois permite infinitos aprendizados! Contudo, a partir de certo momento na carreira profissional,  em que você já correspondeu muitas expectativas (dos outros…), já deu o sangue para manter aquela instituição em pé e funcionando, chega-se geralmente a um ponto em que:

1-Ou você se depara com a falta de evolução e isso te incomoda;

2-Ou você já não é mais você, já se tornou praticamente um tijolo da empresa. Não sabe falar de outros assuntos, não consegue relaxar nem mesmo nas férias, e até mesmo fez daquele local seu lar, mais até do que sua própria casa!

Concorda comigo que NENHUMA dessas situações é saudável nem agradável para a saúde mental e emocional, nem para a carreira de ninguém?!

Já ouvi de mentorados meus e coachees que se sentiam inseguros e descrentes de si mesmos, pois estavam há tanto tempo sendo aquela engrenagem que faz a empresa rodar, que não sabiam mais se seriam capazes ou teriam força e coragem para se tornar outro tipo de peça, que possa encaixar em algum outro tipo de local, equipe, oportunidade enfim…

A insegurança, o medo,a culpa, a vergonha e a falta de autoconfiança drenam a energia que poderia ser investida em agarrar oportunidades que VERDADEIRAMENTE permitem e lhe dão a abertura pra brilhar naquilo que é natural e automático para você, seja em qual área e assunto for!

E se essa energia fosse utilizada e investida para buscar esse alinhamento entre seus talentos e as oportunidades afora, contemplando, nesse caminho, seus propósitos maiores e sua missão?!

Siga nos acompanhando! No final do mês que vem, darei uma continuidade nesse assunto, falando sobre posturas em entrevistas, como encarar uma transição de carreira e muito mais!

Grande abraço!